Revista Vertical

Conheça o Cemitério Vertical de Curitiba

Como identificar e tratar as 6 doenças de pele mais comuns no verão

Durante o verão é comum usar pouca roupa e expôr a pele ao sol, mar, areia, piscinas públicas e à substâncias nocivas, e este contato pode gerar uma doença de pele.

Especialmente durante o verão recomenda-se usar diariamente o protetor solar, óculos de sol, roupas frescas, calçado aberto, além de beber bastante água e evitar a exposição solar entre as 11 e as 16h. Alguns cuidados são ainda mais importantes, como evitar usar maquiagem e perfume ao expôr-se ao sol, pois eles podem reagir e usar alguma reação alérgica local.

Veja quais são, saiba como evitar e o que fazer para combater as doenças de pele mais comuns do verão:

1. Queimadura de sol

A pele exposta ao sol fica avermelhada e muito sensível ao toque, o que pode indicar que a pele foi danificada e encontra-se queimada pelos raios solares. Pessoas que possuem a pele clara normalmente são as que ficam mais expostas para tentar pegar uma cor mais escura e, por isso, têm maiores chances de sofrer com queimaduras.

Como tratar: os sintomas podem ser aliviados com o uso de compressas de água fria, analgésicos e loções corporais calmantes como o Caladryl, por exemplo. A pele tende a soltar após cerca de 5 dias e para evitar é aconselhado beber bastante água e evitar o ressecamento da pele. No entanto, se a pele começar a soltar, é importante resistir e não remover, deixando que ela saia sozinha, durante o banho. A pele que está por baixo é mais fina e tem ainda mais facilidade de queimar e por isso deve ser protegida com filtro solar.

2. Cravos e espinhas

A exposição ao sol e o calor dos dias típicos de verão tendem a agravar a oleosidade da pele, favorecendo o surgimento de cravos e espinhas. É comum que no primeiro dia de férias, com a exposição solar, a pele fique um pouco mais seca, o que parece que diminui as espinhas, mas no dia a seguir, a resposta natural do corpo será aumentar a oleosidade natural da pele, agravando a acne.

Como tratar: deve-se passar um filtro solar próprio para o rosto, porque geralmente não são oleosos. Lavar o rosto com sabonete e usar loções próprias para acne também ajudam a controlar estes sintomas e deixar o rosto livre de cravos e espinhas. Quem vai ficar muito exposto ao sol, deve ainda evitar espremer cravos e espinhas, para que o rosto não fique manchado.

3. Pano branco

O pano branco, conhecido cientificamente como micose de praia ou pitiríase versicolor, é uma alteração da cor da pele causada pela infecção pelo fungo Malassezia furfur. Embora este fungo esteja naturalmente presente na pele humana, as manchas do pano branco parecem aparecer especialmente em pessoas com predisposição genética, aparecendo com maior frequência no verão, devido ao calor, umidade e maior oleosidade da pele.

Como tratar: o dermatologista poderá indicar o uso de cremes ou loções que devem ser aplicadas diariamente até a completa eliminação das manchas na pele.

4. Bicho geográfico

O bicho geográfico é uma larva que penetra na pele, causando coceira e vermelhidão. A larva cresce aos poucos mas por onde ela passa deixa um rastro visível e intensa coceira. Normalmente ela é naturalmente eliminada do organismo em cerca de 8 semanas, mas uma vez que seus sintomas podem ser bastante desconfortáveis, é importante ir ao médico após observar a sua presença para iniciar o tratamento.

Como tratar: deve-se consultar um dermatologista para iniciar o uso de um remédio para vermes, como Albendazol, que é eficaz na eliminação da larva da pele, além de uma pomada que deve ser aplicada no local afetado, para aliviar a coceira.

5. Brotoeja

A brotoeja é mais comum em bebês e crianças nos dias muito quentes, quando a pele fica úmida devido ao suor. As áreas mais afetadas são o pescoço, nuca, peito, barriga, costas e as dobrinhas dos joelhos e cotovelo. Em alguns casos ela pode provocar coceira e a criança fica muito irritada, chorando sem razão aparente e perdendo a vontade para brincar.

Como tratar: normalmente não é necessário um tratamento específico, mas pode ser evitada ao usar roupas frescas e evitar locais muito quentes e úmidos. Colocar um pouco de talco nas regiões mais afetadas pode também ajudar inicialmente, mas se a criança continuar transpirada, o talco pode agravar a situação.

6. Queimadura com limão

O suco das frutas cítricas em contato direto com a pele pode causar queimadura quando esta é exposta ao sol, causando uma mancha escura na pele chamada fitofotomelanose. Apesar desse tipo de queimadura ser mais comum com limão, a laranja, a tangerina e a toranja também podem causar esse tipo de lesão.

Após a queimadura, a região pode ficar avermelhada, com bolhas ou somente mais escura. As áreas mais afetadas são as mãos, braços, colo e rosto, que podem ser afetados com respingos da fruta.

Como tratar: quando se formam bolhas o tratamento é o mesmo que numa queimadura por água e pode-se aplicar uma camada de clara de ovo crua, que facilita a regeneração da pele lesionada. Quando a pele está manchada e escura pode ser útil aplicar uma loção ou pomada como a loção clareadora Muriel. No entanto, a melhor opção sempre é consultar um dermatologista.

Vertical
 
Leitores
 
Conheça o Cemitério Vertical de Curitiba