Revista Vertical

Conheça o Cemitério Vertical de Curitiba

Curiosidades sobre o turismo em Chernobyl

Na madrugada de 26 de abril de 1986 uma explosão no reator 4 da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, parte da então União Soviética, causou o maior desastre radioativo da humanidade. Até hoje uma área de cerca de 2,600km² conhecida como zona de exclusão delimita a região mais afetada pela radiação. Depois de anos o local acabou se tornando um ponto turístico. Para entrar na região é preciso estar acompanhado de um guia associado aos Operadores de Turismo de Chernobyl.

Depois da nova séria da HBO o turismo no local cresceu exponencialmente. Fizemos uma pesquisa e reunimos aqui tudo o que você precisa saber sobre o turismo em Chernobyl.

Os passeios em Chernobyl são seguros

Os passeios por Chernobyl começam em Kiev, capital da Ucrânia, há cerca de 180km de distância de Pripyat. Especialistas e empresas que guiam o passeio são unânimes: o passeio pela região é seguro, desde que todas as regras de segurança sejam seguidas a risca. O tour geralmente dura um dia e, durante esse período, os turistas são expostos a um nível de radiação menor do que um exame de raio X ou de um voo transatlântico. Durante vários momentos durante o tour as pessoas são submetidas a testes de radiação para manter a segurança. Além disso os passeios são permitidos apenas para maiores de 18 anos e é obrigatório uso de blusa de manga comprida, calça e sapato fechado.

Pripyat era uma cidade-modelo

A cidade ficou conhecida mundialmente por causa do desastre de Chernobyl. Entretanto a cidade mais icônica da região se chama Pripyat. Ela foi fundada em 1970 para abrigar os funcionários da usina nuclear e seus familiares. Com uma arquitetura moderna e amplos espaços, a cidade era um orgulho soviético. Atualmente a natureza tomou conta do local que antes era ocupado por cinemas, escolas, hospitais, praças e um parque de diversões que seria inaugurado cinco dias depois do acidente.

Existem pessoas que trabalham em Chernobyl até hoje

O último reator da usina nuclear foi desativado bem depois da tragédia, em dezembro de 2000. Entretanto o núcleo ainda gera calor. Por isso existem muitos funcionários que continuam trabalhando na manutenção da usina. Eles também passam por um controle de saúde rigoroso e alternam semanas de trabalho com um período de descanso fora da zona de exclusão.

Muitas das cenas vistas em fotos e nos passeios são montagens

É proibido encostar em qualquer objeto durante o passeio. Porém, existem pessoas que tem por diversão colecionar fotos de Chernobyl. Essas pessoas montam os cenários e fotografam a imagem. Na creche da cidade, por exemplo, há bonecas e sapatinhos de criança colocados na janela de forma quase poética. No hospital há uma mesa de cirurgia montada como se tivesse sido abandonada as pressas. Tudo foi estrategicamente posicionado para dar um drama a mais em uma história que já é terrível.

A vida resiste em Pripyat

Com a evacuação repentina da cidade muitas pessoas abandonaram suas casas e suas raízes. Porém, há quem não conseguiu se adaptar a nova vida e, contra todos os esforços do governo, acabou voltando a morar na região contaminada. Essas pessoas vivem lá e convivem com os efeitos colaterais da radiação. Além de pessoas, nos redores da cidade de Pripyat existem muitos cachorros, raposas, javalis e ursos que crescem de forma livre, sem grande interferência humana.

Vertical
 
Leitores
 
Conheça o Cemitério Vertical de Curitiba