O que aconteceria com a Terra se os humanos desaparecessem?

17/05/2021

Os humanos sempre moldaram seu ambiente. Do fogo à construção das cidades. Da agricultura aos satélites. Atualmente é quase impossível encontrar um lugar na Terra em que a humanidade não tenha tocado de alguma forma. E, infelizmente, esse toque geralmente é ruim: poluição no ar, no solo e no fundo dos oceanos.

Agora vamos imaginar que todos os humanos, do dia para a noite, simplesmente desaparecessem. O que aconteceria com a Terra?

Bem, o planeta sobreviveria sem nós. 99% das espécies que já passaram por aqui desapareceram. A maioria devido a catástrofes naturais, como a que matou os dinossauros. Levando-se em conta que a Terra sobreviveu sem esses animais é fácil perceber que nossa existência não é tão importante assim.

A maior prova disso são as áreas que fomos obrigados a abandonar. Por exemplo a zona de exclusão, ao redor da usina de Chernobyl. Um estudo da Natural Environment Research Council chegou à conclusão que os humanos são uma ameaça muito maior para a flora e a fauna que a exposição crônica à radiação. Após o abandono de Pripyat, cidade próxima à Chernobyl, as plantas e animais passaram a viver de uma forma que nunca havia ocorrido antes.

Caso os humanos sumissem do planeta, da mesma forma que sumiram de Chernobyl, a natureza iria assumir o controle e o que aconteceria dependeria muito do clima e da região. Nos desertos do Oriente Médio, por exemplo, as ruínas de milhares de anos ainda são visíveis. No entanto o mesmo não pode ser dito de cidades que possuem apenas algumas centenas de anos e estão em locais tropicais. Em 1542, quando os europeus vieram para o Brasil, eles relataram cidades, estradas e campos ao longo das margens dos rios. No entanto, depois que a população indígena foi dizimada, essas cidades foram rapidamente tomadas pela floresta.

Alguns pesquisadores foram além destas análises e chegaram a pensar em uma ordem cronológica sobre o que aconteceria caso os humanos simplesmente desaparecessem.

  • Em algumas horas após nosso desaparecimento, boa parte das luzes do mundo iriam se apagar pois muitas estações energéticas funcionam com combustíveis fósseis e dependem da interação humana. As hidroelétricas, estações de energia solar e energia eólica continuariam funcionando por um pouco mais de tempo.
  • Em 10 dias os animais de estimação e das fazendas estariam em perigo. Muitos deles não conseguiriam se adaptar e acabariam sendo vencidos por vira-latas mais resistentes, lobos ou gatos-selvagens. Outros animais que dependem de nossa existência, como ratos e baratas sofreriam reduções populacionais drásticas. Em pouco tempo é provável que os piolhos sejam completamente extintos.
  • Em um mês a água do arrefecimento das usinas nucleares iria evaporar e ocorreriam outros desastres como o de Chernobyl, matando milhões de animais. No entanto, o planeta se recuperaria rapidamente dessa contaminação radioativa.
  • Em um ano, os satélites que estão em órbita começariam a cair.
  • A qualquer momento as cidades que abrigam muitas casas de madeira seriam arrasadas pelo fogo. Sem os bombeiros, basta um raio para gerar incêndios catastróficos. As casas que sobrassem seriam tomadas por cupins e outros insetos.
  • Em 25 anos a vegetação cobriria boa parte do planeta. Cidades como Dubai e Las Vegas estariam embaixo da areia. A vida selvagem se tornaria presente em toda a superfície terrestre e o ar seria muito mais limpo.
  • Em 100 anos todas as estruturas de madeira teriam desaparecido.
  • Em 300 anos os edifícios de concreto, carros e até mesmo estruturas mais robustas como pontes começariam a quebrar e desabar devido à corrosão. A essa altura a maioria das espécies de animais voltariam aos níveis ocupados antes da nossa evolução. No entanto sua distribuição estaria alterada para sempre. Camelos passeariam pela Austrália, pássaros “importados” da Europa prosperariam na América e até mesmo animais que escapassem de zoológicos passariam a formar novas populações selvagens. Tudo por que tiramos os animais de seu habitat natural e o transportamos para outros lugares.
  • Em 10 mil anos as principais evidências de nossa existência seriam construções de pedras, como as pirâmides do Egito, a Grande Muralha da China ou o Monte Rushmore.
  • Durante centenas de milhares de anos seria possível encontrar sedimentos cheios de partículas à base de carbono. Esses sedimentos seriam restos de pneus e sacolas plásticas.
  • Em 50 milhões de anos as garrafas plásticas e pedaços de vidro seriam os únicos traços da nossa civilização. Depois de 100 milhões de anos esses materiais desapareceriam.
  • Em 300 milhões de anos é possível que ocorra o surgimento de uma nova espécie “racional”.

Como você pode perceber, a natureza sobreviveria sem a nossa presença. Quer saber mais sobre o assunto? Veja o que aconteceria se todas as árvores desaparecessem do planeta?